competition

    Competição pode aumentar o valor da sua Empresa

    É muito comum empresários nos procurarem somente após serem abordados por empresas interessadas em realizar uma aquisição. Em alguns casos, já estão em estágios mais avançados da negociação, tendo trocado algumas informações ou até mesmo possuem uma oferta inicial.

     

    Ainda que seja interessante existir empresas interessadas no seu negócio, a experiência trabalhando com Fusões e Aquisições me mostrou que transações conduzidas com somente um interessado (neste caso, a empresa que lhe abordou) possuem poucas chances de ter sucesso.

     

    Digo isso por algumas razões:

     

    1. Nem sempre a empresa que está lhe procurando será aquela que irá melhor avaliar seu negócio. Em outras palavras, podem haver alvos mais estratégicos que trariam mais sinergias ao negócio e, consequentemente, poderiam fazer uma proposta mais vantajosa.

     

    2. Em negociações com somente um interessado, a parte vendedora tem pouco poder de barganha. Sendo assim, haverá pouco espaço para pressionar o potencial comprador a cumprir prazos, tomar decisões mais rápidas, aumentar o valor de sua proposta, etc.

     

    3. Recebendo somente uma proposta, os vendedores não poderão comparar valores, condições, e outros termos. Como saber se estão realmente conseguindo fazer o melhor negócio possível?

     

     

    Pelas razões expostas acima é que normalmente aconselhamos nossos clientes a conduzirem um processo competitivo pela empresa. Isso não significa, no entanto, abrir informações para todo o mercado sem qualquer critério. É preciso que esse processo seja organizado para preservar a confidencialidade da empresa e também para identificar os alvos certos com potencial de avaliar da melhor maneira o seu negócio.

    Vinicius de Oliveira
    Vinicius de Oliveira

    Graduado em Economia pela UFPR, com fluência em inglês. Pós-graduando em Finanças Corporativas pela University of Liverpool. Desde 2009 na Redirection, atua em projetos de Desenvolvimento Corporativo. É mentor Endeavor desde 2013.